sábado, 3 de setembro de 2016

ALPALHÃO - A última tourada no Largo

Porque a França há muito nos tinha sugado os homens das carroças, as carroças que resistiam eram já escassas para cerrar o redondel. Compôs-se o que faltava com reboques e uns enrêdos de paus entrelaçados, mais uns barrotes aqui, uns estrados ali e a plateia foi dada como afiançada, que a freguesia também não era muita. ( Longe ia o tempo do Palanque das Senhoras, das carrêtas apinhadas, de rapazes já espigadotes, suspeitamente, a espreitar pelas tranqueiras...)
Se o gozo das touradas à vara-larga está no imprevisto, esta foi das boas.
Logo da primeira vaca quem foi o agarrador? O mais elegante dos jogadores de bola da vila e ainda hoje um rafista de corridas de bicicleta - o Carlos Fatan; a outra, teve de se render a um rapagão que começava a mostrar a sua apetência para a arte: o Renato Moura. Depois, o esperado imprevisto : a paliçada entre a Casa do Povo e o Curral do Manecas tombou, atirando com um magote de medrosos para cima do bovino que, solidário, rebolou com eles. Quando baixou a poeira e confirmado que ninguém se aleijara, o povinho gargalhou. Só o ruminante, e porque não era açoreano, não riu. Com este entremêz, os agarradores indultaram o animal e respeitaram o que veio a seguir - o novilho.
A Filarmónica, numa festa que lhe era dedicada, sentiu-se no direito de mostrar que o seu valor vai muito para além de premiar, com paso-dobles, quites e pegas. Vai daí, escalou para enfrentar o quinto animal um dos musicantes. O felizardo foi o Felizardo que, obrigatoriamente, esteve feliz.
A última vaca que correu pelo touril, que fique para conhecimento dos vindouros, quem a dominou foi o Francisco Sequeira; dos Batatas, o Chico.
Antes que apareça alguém que desencante para aí um pequeno deus caseiro, vindo da universidade, do quartel, do seminário, e lhe pespegue a graça na parede do pátio da antiga escola das raparigas, porque não deixar oficializado na toponímia da vila aquele espaço como " Largo das Touradas"? Foi isso que ele foi e é assim que ele é conhecido pelos mais velhos. lugar de sustos, de valentias, de fanfarronices, de pequenas tragédias, onde se ganharam famas e se enriqueceu o anedotário, cuja existência deve persistir na memória de Alpalhão.
José Caldeira Martins
NOTA: Retirámos esta saborosíssima prosa, bem como o programa, da página pessoal do Dr. José Caldeira Martins (Zé Alguém), um amante das tradições alpalhoeiras (marvanenses, nisenses e de outros sítios) que teima em deixar registadas para conhecimento de actuais e vindouros.