quinta-feira, 23 de setembro de 2010

IN MEMORIAN: A Joana tinha um sorriso...

....Aberto, franco, imenso, sincero, do tamanho do mundo que a rodeava.
Tinha um sorriso, a Joana, que “desarmava” qualquer um e mostrava a sua infinita bondade, a sua imensa alegria, que a todos contagiava.
A Joana tinha um sorriso, que, aos poucos se foi desvanecendo, corroído por doença incurável.
A Joana tinha um sorriso, um sorriso que não morreu, na hora em que se despediu de todos aqueles a quem amava e que a adoravam. E foram tantos, tantos, um mar de gente, de olhar triste, cabisbaixo, dorido, sentido no adeus precoce à Joana.
Partiu nova, a Joana, no alvor dos seus quarenta anos. Quantos trabalhos e canseiras, quanta dor e determinação para que as luzinhas dos seus olhos pudessem, um dia e sempre, continuar a sorrir como ela.
A Joana tem um sorriso. Terno, meigo, alegre, amigo que continuará a brilhar, lá no alto, no etéreo descanso em que repousa.
Um sorriso, o da Joana, que jamais se apagará e há-de iluminar, com o brilho intenso da esperança, todos aqueles que tiveram, um dia, todos os dias, o privilégio de a ver sorrir...
Mário Mendes