sábado, 31 de maio de 2008

JOSELITO MAIA E TRIBUTO AOS UHF

Nas comemorações do 2º aniversário da AJAL.
No próximo dia 28 de Junho, a Associação de Jovens de Alpalhão irá, uma vez mais, marcar presença na dinâmica e desenvolvimento do Distrito.
Desta feita a AJAL promove no Largo Dr. Alves da Costa, em Alpalhão, um dia diferente para todos. Durante todo o dia estará presente no recinto um parque de diversões para os mais novos, com insufláveis e animação circense permanente. À noite, o espectáculo será musical com a actuação grupo “Tributo aos UHF”, que nos irão brindar com um tributo ao conceituado grupo de Manuel Ribeiro. No seguimento, “Joselito Maia” animará todos os presentes com as suas canções originais e para terminar a noite, tendo como objectivo ser uma noite de animação, contamos também com a presença dos Dj’s Tsuk & Tsun.
À semelhança do ano de 2007, acreditamos que este evento mobilizará os jovens e os menos jovens de todo o distrito.
É, sem dúvida, um espectáculo importante para nós, AJAL, uma vez que se trata da comemoração do nosso 2º aniversário.

domingo, 25 de maio de 2008

As fotos do Arquimino - Património(s) - I







Mais um conjunto de fotos (magníficas) de Arquimino Caeiro e que pode visualizar em http://alpalhaovivo.hi5.com

terça-feira, 20 de maio de 2008

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DE ALPALHÃO

Moradores pedem revogação de postura
O documento é de 1885 e nele os moradores de Alpalhão pedem ao presidente e demais vereadores da Câmara Municipal, a revogação de uma postura sobre o trânsito de carroças em várias ruas da vila.
“Os abaixo assignados, moradores na Villa de Alpalhão, deste concelho de Niza, achando-se em vigor o novo código de Posturas d´este concelho, veêm representar a Vªs Exc.ªs quanto se lhes torna prejudicial a disposição do # único do artigo 80 na parte em que considera estreitas as ruas Direita, da Cadeia e do Castello, para o effeito de ser prohibido o carregar ou descarregar carros ou carretas nas mesmas ruas; pois que estas ruas teêm na maior parte do seu comprimento, a largura sufficiente para por ellas passarem duas carretas uma a par d´outra, e mesmo nos curtos espaços em que a não teêm , a pequeníssima distancia existem largos para evitar sem custo ou delonga mutua, quasquer embaraços de transito, e d´este modo uma tal disposição se torna desnecessária, e está causando graves incommodos aos habitantes das mesmas, sem razão que justifique a sua existência.
Assim, pois, esperam que Vªs Excªs attendendo aos interesses dos supplicantes, hajam por bem revogar a postura na parte que fica declarada, enviando essa declaração ou deliberação, sem perda de tempo, à estação superior de cuja approvação carece: e portanto, Ilusºs e Exmos Senhores Presidente e demais Vereadores da Câmara Municipal d´este concelho, que se dignem deferir-lhes.
Alpalhão, 8 de Julho de 1885.”
Assinavam o documento, entre outros, os seguintes alpalhoenses:
António Gonçalves Themudo Frade, António José d´Andrade Sequeira (Sénior), António José d´Andrade Sequeira (Junior), João Semedo Maia, Joaquim de Andrade Bastos, António d´Andrade Sequeira, José Maria Pereira, Nuno Ribeiro Duarte, Joaquim Ribeiro Duarte, João Lopes Subtil, José da Costa, num total de mais de duas dezenas de assinaturas.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

GRUPO CICLO ALPALHOENSE

Promove corrida de toiros solidária
O Grupo Ciclo Alpalhoense promove no próximo dia 8 de Junho, às 22 horas, uma tourada nocturna à vara larga.
Serão lidadas seis bravíssimas vacas e uma bezerra da ganadaria do senhor Anacleto Cardoso (Alpalhão) havendo um prémio de 20 cambalhotas por cada pega concretizada com êxito.
Os dirigentes do Grupo Ciclo Alpalhoense, num gesto solidário, decidiu que, por cada bilhete vendido, um euro irá reverte a favor de Marco Silva, jogador de futebol do GDR Alpalhoense e que se encontra em fase de recuperação da grave lesão sofrida ao serviço do clube de Alpalhão.
Este é, sem dúvida, mais um motivo, uma ajuda solidária, em favor de quem, voluntária e gratuitamente, tem contribuído para a animação desportiva desta terra.
A Câmara Municipal de Nisa, a Freguesia de Alpalhão e a Rádio Portalegre, apoiam esta iniciativa.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

POSTAIS DO CONCELHO - ALPALHÃO

Ê rapaziada! E s´a gente fosse almoçar todos, hoje? Atão não...
Começou assim o encontro de jovens octogenários de Alpalhão.
Houve almoço, um copo do tinto (oulha lé, o senhum dótôr diz que só um nã faz mal!) lembraram-se outros tempos bem distantes e ali tão perto.
O amigo Junceiro registou o Encontro e nós só temos que mostrar esta imagem primaveril...

terça-feira, 13 de maio de 2008

O fado das “Margens do Sever” em Alpalhão

São um grupo por demais conhecido em terras raianas. Cantadores, instrumentistas, apreciadores da “canção nacional”, o grupo “Margens do Sever” vai animar na próxima sexta-feira, dia 16, o espaço do restaurante “Regata” em Alpalhão.
A iniciativa é da LIAAL – Liga de Amigos de Alpalhão, que procura, assim, a angariação de alguns fundos para a meritória acção cultural e de preservação do património que vem desenvolvendo.
A sessão de fados, inclui o jantar ou vice-versa e as pessoas interessadas podem, desde já, fazer a sua marcação de mesa para o restaurante “Regata” na Estrada das Amoreiras, 6 em Alpalhão, com o telefone nº 245742162.

domingo, 11 de maio de 2008

GRUPO DE CONTRADANÇAS EM FÁTIMA


Na Peregrinação anual dos Ranchos Folclóricos
O Grupo de Contradanças de Alpalhão viveu no passado dia 27 de Abril, mais uma importante jornada do seu ainda curto mas já significativo historial.
O Grupo deslocou-se a Fátima, em autocarro cedido pela Câmara Municipal, para participar na Peregrinação anual dos Ranchos Folclóricos, uma iniciativa da Federação do Folclore Português e que de há uns anos a esta parte vem mobilizando muitos grupos etnográficos e folclóricos de norte a sul do país.
Assim aconteceu este ano e a presença das Contradanças de Alpalhão não passou despercebida, quer pela beleza e garridice dos seus trajes, quer pela vivacidade e encanto das suas danças e cantares, ainda que esta deslocação tivesse um significado algo diferente.
Os grupos folclóricos presentes no santuário de Fátima assistiram à missa, pelas 11 horas, especialmente dedicada à sua VI Peregrinação Nacional e transmitida em directo pela TVI.
Antes, cumpriram o programa delineado pela Federação do Folclore Português e que começou com a concentração dos grupos e ranchos folclóricos, já devidamente trajados no parque nº8.
Os elementos dos Grupos participantes organizaram-se por regiões e pouco depois das 9 horas receberam as boas vindas por parte do presidente da Direcção da Federação, após o que teve início o desfile dos estandartes em duas filas e entrada no recinto pelo lado da reitoria, tendo os Grupos/Ranchos seguido para o escadório da Basílica onde permaneceram até ao fim da eucaristia.
No decorrer da missa, os grupos foram saudados pelo Reverendo Reitor do Santuário, havendo depois um desfile, acompanhado de cânticos a Nossa Senhora por um grupo formado por elementos de diversos Ranchos da região da Alta Estremadura.
Às 10 horas, foi rezado o Terço, a partir da Capelinha das Aparições, sendo o primeiro mistério evocado por um Folclorista. Mais tarde, a procissão saiu da Capelinha para o Altar frente à Basílica, com o andor de Nossa Senhora aos ombros de Folcloristas.
Às 11 horas teve lugar a Missa Solene, animada por um grupo formado por elementos de diversos Grupos de Folclore e pelo Grupo Coral do Santuário. A primeira leitura foi feita pelo presidente da Direcção da Federação do Folclore Português e a segunda pelo representante da Associação de Folclore de Leiria.
Seguiram-se outras cerimónias religiosas como o Ofertório, por elementos dos Grupos de Folclore e representativos de diversas regiões do país, a Comunhão, com a intervenção dos elementos dos Grupos de Folclore e finalmente, pelas 12,45 horas, a Procissão do Adeus, com todos os estandartes a descerem o escadório e a seguirem em desfile, para a Capelinha das Aparições.
Mais atrás, vinham os elementos dos Grupos a rodear o andor, no percurso até junto da Capelinha, envolvendo todo o espaço junto ao monumento do Sagrado Coração de Jesus, e aí, simbolicamente, fizeram o Adeus a Nossa Senhora para, em Fé, terminarem esta Peregrinação.