quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Reviver o Natal no Presépio de Alpalhão



INICIATIVA DO MTA ATRAÍU CENTENAS DE VISITANTES
Alpalhão reviveu o espírito do Natal de outrora com uma bela iniciativa do MTA - Movimento Teresiano do Apostolado - que presenteou os alpalhanenses e outros visitantes, com a encenação de todo o tempo histórico e o percurso que culminou no nascimento do Menino Jesus.
Denominada "Presépio Vivo", o magnífico trabalho a que meteram mãos os jovens do MTA, foi muito mais do que a reconstituição do presépio, com elementos reais, mas toda uma concepção e recriação do trajecto e do contexto histórico-religioso que antecedeu a chegada do Messias.
O espaço envolvente e o próprio átrio da capela do Calvário, transformaram-se, por acção de cerca de 40 figurantes, numa "aldeia viva" nas proximidades do palácio do rei Herodes, esperando com ansiedade o nascimento do Salvador.
O acontecimento final (o presépio, local de nascimento) teve por cenário a anta em granito, trabalho do escultor António Redondo e que assinalou uma das Bienais da Pedra.
Quem se deslocou ao largo do Calvário não deu o seu tempo por mal empregue, apesar do ligeiro atraso com que se abriram as portas da "aldeia bíblica".
A iniciativa dos jovens do MTA é digna dos maiores elogios, ainda mais se pensarmos que é uma ideia que começou a ganhar forma há mais de um mês e que foi "construída" no tempo das férias escolares, com o recurso a muitas sessões de ensaios e muitas horas gastas na construção dos cenários e confecção das roupas.
O Natal de Alpalhão ganhou com o Presépio Vivo um novo motivo de interesse, um reviver de tradições ancestrais numa terra em que o tempo natalício teve sempre uma presença muito forte e simbólica.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Alpalham no Dicionário Coreográfico (Séc. XVIII)


Assim é descrita a povoação e freguesia no Dicionário Coreográfico do Padre Luís Cardoso (Séc. XVIII)

domingo, 5 de outubro de 2008

Campeonato Distrital de Futebol

Alpalhoense: Vitória sobre o Póvoa e Meadas
A 4ª jornada do Distrital Séniores da Associação de Futebol de Portalegre, iniciou-se no sábado, com o Campomaiorense a golear o Fronteirense por 5-2 e o Santa Eulália a ir vencer a Gáfete por 1-0. Nos restantes encontros de sábado, o Santo Amaro empatou 0 -0 com o Estrela de Portalegre e o Monfortense derrotou o Arronches e Benfica por 4 bolas a zero.
A jornada completou-se neste domingo, com os encontros:
Nisa,1–Montargilense,3; Gavionenses,2– Portus Alacer,0; Portalegrense,2-Alter,0 e Alpalhoense,2– Póvoa e Meadas,1.
Classificação
1º Monfortense 9 pontos; 2º Gavionenses 9; 3º Portus Alacer 7; 4º Gafetense 7; 5º Santa. Eulália 7; 6º Fronteirense 6; 7º Montargilense 6; 8º Campomaiorense 6; 9º Estrela Portalegre 6; 10º Portalegrense 6; 11º Santo Amaro 4; 12º Alpalhoense 4; 13º Nisa e Benfica 2; 14º Alter 2; 15º Arronches Benfica 1; 16º Esperança 1; e 17º Póvoa Meadas 1 ponto.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Alpalhoense volta a competir no Distrital

Campeonato de futebol (seniores) com 18 equipas
O campeonato distrital de futebol sénior, época 2008/2009, tem, uma vez mais, a participação do Grupo Desportivo e Recreativo Alpalhoense. A equipa mantém o treinador, Luís Nabais, e não prescinde de filosofia de completo amadorismo, não auferindo os atletas quaisquer comparticipação financeira. Nesta época futebolística, o concelho de Nisa está ainda representado pelo Sport Nisa e Benfica, que regressa à prova principal da Associação de Futebol de Portalegre. O campeonato vai ser disputado por 18 equipas (no ano transacto eram 15), tendo chegado a admitir-se a possibilidade de organizar a prova em 2 séries.
Contudo, ao que apurámos, parece que irá prevalecer o modelo organizativo dos anos anteriores, com as 18 equipas a jogarem todas entre si.

quinta-feira, 31 de julho de 2008

POMBO COMEÇA A VOAR

Posto Galp com outro fôlego
Depois de algum tempo encerrado, o posto de combustíveis de Alpalhão passou à responsabilidade da Lubrinisa, de Rui Pombo. Desde a reabertura, nota-se, progressivamente, um serviço prestado aos alpalhoenses (e a quem passa) com superior qualidade relativamente ao que acontecia no passado.
Além dos combustíveis, o posto Galp tem ao dispor dos seus clientes jornais diários e semanários, generalistas e desportivos, revistas cor-de-rosa, de caça, touros, etc. Estão ainda à disposição dos interessados os principais títulos que se publicam na região.
Pode ainda tomar-se um bom cafézinho no próprio posto.
Para o sucesso desta nova fase do posto de combustíveis muito tem contribuído a disponibilidade, dinamismo e simpatia do seu principal responsável. Pombo tem, de resto, uma intervenção anterior na terra, ligada ao fornecimento de gás. A sua ligação a Alpalhão vem, aliás, já do tempo em que aqui jogava futebol.
É positiva a avaliação de negócio que o jovem empresário faz desta sua iniciativa passados tão poucos meses. Já fornece, diariamente, alguns milhares de litros de combustível, cativando muitos forasteiros a encher o depósito das suas viaturas em Alpalhão. As principais instituições e empresários locais, na generalidade, são clientes desta unidade da Galp. Os próprios bombeiros do concelho utilizam nas suas viaturas gasóleo aqui adquirido. Para contribuir para a sustentação destes serviços, bom seria que também a câmara municipal trouxesse uma parte das suas viaturas até aqui, distribuindo adequadamente pelos 3 postos existentes no concelho os mais de 100 000€ anualmente gastos em combustíveis. Para dar um primeiro gesto de simpatia elementar, podiam ser adquiridos diariamente no posto de Rui Pombo os jornais que ainda continuam a vir de fora para assegurar aos alpalhoenses a leitura pública.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Iniciativa de Rafael e Liliana

ALPALHÃO JÁ PODE ACOLHER EVENTOS
O Campo entra pela casa, Como se a casa, De chão de terra batida, Do campo fizesse parte, E faz, A casa é recorte, No campo, Só as paredes brancas, Separam um de outro chão…
Numa importante iniciativa de Rafael Moura e da jovem Liliana, com quem casou recentemente, está pronto um bonito complexo de acolhimento de eventos, situado na periferia de Alpalhão, na zona das Safras. O empreendimento inclui uma piscina semi-pública com capacidade para mais de 200 pessoas e um amplo espaço onde cabem perto de 500 pessoas, pronto a acolher festas, reuniões, casamentos, baptizados e todo o tipo de eventos. Também um pequeno restaurante existe no local, onde predominam grandes espaços exteriores a possibilitarem estacionamento de muitas viaturas. Bares com esplanadas apoiam as piscinas, cujo funcionamento se prolongará pela própria noite.
A partir de agora, este espaço que está a ser vistoriado no momento da saída desta edição do jornal, possibilitará já não ser necessário que os alpalhoenses e restante população do concelho e das vilas em redor se desloquem para longe para festas como a celebração de casamentos e outras.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Lar da Misericórdia comemorou Dia dos Avós


A Santa Casa da Misericórdia de Alpalhão, assinalou no passado dia 26 de Julho, o Dia dos Avós. A partir das 15 horas, nas instalações do Lar Nossa Senhora da Redonda, registou-se a presença do Grupo Contradanças Infantil que dançaram para os avós, com a particularidade de serem os idosos que tocaram os instrumentos musicais e cantaram. Foi um intercâmbio entre as duas fases etárias que resultou muito bem, pois os idosos sentiram-se prestáveis em serem participantes na festa e muito se divertiram, recordando as músicas do seu tempo, além de darem também o seu pézinho de dança. Ao longo da semana, com a ajuda da Animadora, executaram um brinquedo que ofereceram às crianças neste dia. Como foi engraçado ver as crianças e os idosos a jogarem com os brinquedos! Para finalizar a tarde houve um beberete. É de louvar estas iniciativas nos Lares, porque os utentes necessitam de distracção, alegria, animação para ajudar a passar melhor o seu tempo.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

CARTA DE LONGE SOBRE O CARNAVAL DE ALPALHÃO

"Viva, bom dia. Só hoje é que vi, maravilhoso, dos infantis aos seniores, passando pelos juvenis! E é genuinamente alpalhoense, os cabelos apanhados, o vermelho das saias ondulantes crivadas de branco e o branco dos xailes pincelados de encarnado, e o ouro...tanto e tão vistoso, reluzente como o de Viana. Tantas reportagens nas televisões sobre tantos e tão "parvos" carnavais e zero sobre o carnaval de Alpalhão - onde está o Município que não providenciou a mostra desta riqueza cultural ao País?...Por onde anda a Região de Turismo que não exalta esta maravilha e este povo empenhado em manter a tradição, em transmitir o gosto pelo disfarce autêntico e rejeição do consumismo das Barbies e dos Homema Aranha...não sei que tipo de apoios obtiveram os Alpalhoenses envolvidos nesta grande manifestação de bom gosto e emoções, mas apetece-me escrever sobre isto. A quem devo ligar? `Talvez começar pela Junta de Freguesia para obter informação sobre os contactos realizados para a promoção do evento...não fosse o Mário Mendes e a sua máquina fotográfica e mais uma vez esta janela de cor e sentimento não se abria ao "mundo".....
Um abraço!
Nota: A carta é do ano passado e foi publicada em "O leitor dá cartas", numa das edições do Jornal de Nisa. Recuperamo-la, agora, porque se mantém o mutismo e a indiferença das entidades que deviam apoiar, sem favor, estas manifestações de cultura popular.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008